Participou-Áudios mostram que Thuane entregou criança a coronel, diz delegada

Arquivo da conversa foi encontrado em celular de suspeita que está presa. Prisão preventiva será pedida ’em momento oportuno’, diz polícia.

Henrique Coelho
Do G1 Rio

A delegada titular da Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (Dcav), Cristiana Bento, afirmou nesta quinta-feira (15) que áudios do celular de Thuane dos Santos Pimenta, revelam conversas dela sobre entregar a criança de 2 anos para o coronel reformado da Polícia Militar, Pedro Chavarry. Segundo a delegada, a polícia apura se ela fez o mesmo com outras crianças.

“No áudio, ela diz: ‘Amigo, já trouxe ela, ela tá aqui comigo. Pode vir’.
E ele: ‘Já estou a caminho’.
“Ali, já cai por terra tudo que ela [Thuane] falou, e já demonstra que efetivamente ela foi até a residência dos familiares da menina para pegar a menina e entregar para ele”, completou Cristiana Bento.

GNews - Coronel acusado de pedofilia (Foto: Reprodução/GloboNews)

GNews – Coronel acusado de pedofilia (Foto: Reprodução/GloboNews)

A titular da Dcav afirmou ainda que, no momento oportuno, vai pedir a conversão da prisão temporária de Thuane em preventiva.

A polícia também ofereceu entrada no programa de proteção à testemunha para a atendente da lanchonete onde Chavarry foi preso com a criança de 2 anos no carro. A secretaria de Direitos Humanos será responsável pelo caso da atendente, que deu detalhes na quarta- feira sobre o que viu no sábado (10).

Atendente entrega coronel
A prisão do coronel reformado da PM Pedro Chavarry, no último sábado (10), só foi possível graças à desconfiança de uma atendente da lanchonete onde ele, suspeito de pedofilia, estacionou o carro. Chavarry acabou detido ao ser flagrado com uma criança nua dentro do veículo.

Em depoimento na Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (DCAV), nesta quarta-feira (14), ela afirmou já ter visto o coronel no local pelo menos quatro vezes, sempre com crianças nuas.

Segundo a testemunha, o que chamou a atenção foi ter visto a criança, de dois anos de idade, vestida e depois nua, quando foi entregar o pedido ao coronel. “Eu já tinha desconfiado dele. Quando fui entregar o lanche, vi a criança com a calcinha mexida. Aí eu pedi pra alguém ligar para a polícia”, contou.

Ainda de acordo com o depoimento dela, a polícia não achou o carro ao chegar ao local, e nesse meio tempo Chavarry teria tentado fugir. “Eu comecei a gritar, pedi para alguém fazer alguma coisa. Ai, um casal avisou à Polícia Militar qual era o carro e ele foi preso”, relatou.

A mulher, que não quis ser identificada, disse ainda que teve de mudar de casa e que pedirá para entrar no Programa de Proteção à Testemunha . Ela morava na comuniadde Uga Uga, em Ramos, e já havia recebido fraldas de Chavarry.

“Mas nunca aceitei que ele saísse com meu filho. Eu pensei quando vi: podia ser com meu filho. Fiquei cega quando vi”, disse ela, emocionada.

Thuane foi levada para o Complexo Penitenciário de Gericinó (Foto: Henrique Coelho/G1)

Thuane foi levada para o Complexo Penitenciário de Gericinó (Foto: Henrique Coelho/G1)

Suspeita está em presídio
Suspeita de ter entregado a criança ao coronel, Thuane dos Santos Pimenta, de 23 anos, foi encaminhada na manhã desta quarta feira (14) para o Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na Zona Oeste do Rio.

A titular da DCAV, delegada Cristiana Bento, se disse convencida de que Thuane pegou a menina com o objetivo de entregá-la a Chavarry. “Está provado que ela pegou a criança para entregar para o coronel”, afirmou a delegada.

Em seu depoimento, a mãe da criança confirmou que conhecia Thuane e contou como a suspeita levou sua filha. “Ela teve a cara de pau de chegar lá na minha casa, minha filha estava brincando, e ela chegou lá e pediu a minha filha para tirar uma foto, e tenho certeza de que ela vendeu minha filha para esse homem”, disse a mulher, muito abalada.

Advogado vai pedir soltura de coronel
Na tarde desta quarta-feira, o advogado David Elmôr, que atua na defesa do coronel Pedro Chavarry, informou que seu cliente alega ser inocente. Elmôr disse também que na próxima semana irá pedir a soltura ou substituição da prisão preventiva do oficial por medidas cautelares.

Entre as medidas cautelares que podem ser requeridas pela defesa estão comparecimento em juízo em determinado período, restrições de horário, uso de tornozeleira eletrônica entre outras.

Questões relativas ao que definiu como “mérito” do caso não foram abordadas pelo advogado. Elmôr disse estar preocupado com os “requisitos da prisão preventiva”. Para ele, a decisão da juíza não preenche os requisitos legais para a determinação da prisão preventiva. “Então, nós pedimos a revogação da [prisão] preventiva”, disse.

Chavarry, que está preso na Unidade Prisional da PM, em Niterói, na Região Metropolitana do Rio, precisou ser levado ao Hospital Central da corporação, no Estácio, na Zona Norte, devido a uma crise hipertensiva. Ele foi medicado e levado de volta à cadeia.

Comentários

Comentários

Ainda não há comentários.

Deixe uma resposta